"O que o Pequeno Príncipe poderia fazer pelo século XXI?"

Essa foi a pergunta que Olivier D'Agay (sobrinho-neto de Saint-Exupéry) e a equipe de produção dos estúdios Method Animation e DQ Entertainment fizeram antes de iniciar os trabalhos da série de animação digital "O Pequeno Príncipe" (atualmente, exibida em mais de 150 países).

 

A resposta ao questionamento do representante da família do escritor e da produtora foi tentar ajudar e apoiar as crianças na construção de um mundo melhor, transmitindo a elas valores éticos, como a importância a amizade, diversidade, tolerância e respeito à natureza.

 

Com o objetivo principal estabelecido, a versão do livro para a TV passou por um processo delicado de criação, que durou décadas. Com 52 episódios, o reconhecimento não demorou a chegar. A série recebeu o prêmio de Melhor Programa Infantil da França (Lauriers Jeunesse e da la Télevision 2010), o troféu de Melhor Produção Infantil a Europa e o de Melhor Trilha Sonora (Festival Cartoon on the Bay - Itália, 2011).

 

Propositalmente, os criadores quiseram construir um personagem que parecesse diferente do livro. Na nova versão, a história é mostrada sob a perspectiva do Pequeno Príncipe, e não do aviador. O Pequeno Príncipe deixa seu asteroide B612 e sua amada Rosa para viver inúmeras aventuras com seu amigo, a raposa, viajando por diversos planetas, conhecendo criaturas fantásticas, e defendendo os habitantes da Serpente, o vilão que tenta espalhar o caos por onde passa.